ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Arthur Nory, nascido para o esporte, não para o desporto

por Aline Luísa Bisol | aluisabisol@gmail.com

Ao que parece, ‘esporte e ‘desporto’ são sinônimos, mas atitudes desportivas vão além das definições dos dicionários. “Desportivo: Que é próprio para a prática de esportes ou lazer. Aquele que aceita facilmente um resultado que não favorece a si próprio”.  Arthur Nory Oyakawa Mariano é um destes atletas em crise com o esporte. Mesmo tendo disputado a Olimpíada em seu país e conquistado a medalha de bronze no solo, o jovem de campinas não convence com sua performance. O que assusta é a inconstância de seu rendimento: desde sua primeira medalha, em 2013, só foi reconquistar outra em 2015, tendo passado por colocações como o 21º lugar no ano anterior. Sua décima sétima colocação na classificação final é um sinal das dúvidas de sua participação nos jogos olímpicos devido o mau desempenho em outras competições.

A comparação com o também ginasta Ângelo Assumpção é inevitável. A polêmica envolvendo o caso de racismo de Nory contra Assumpção despertou curiosidades não respondidas pela Confederação Brasileira de Ginástica em relação ao caso. Em agosto de 2015, Nory e outros colegas da seleção fizeram um vídeo durante o café da manhã em que comparavam Ângelo Assumpção a um saco de lixo por ser negro. Nesta época, Assumpção era o favorito para a equipe de ginástica que iria para a olimpíada do Rio. Depois do afastamento dos atletas e uma investigação interna, a confederação escalou Nory para os jogos. Neste mesmo período o atleta trocou o nome de Arthur Mariano para Arthur Nory nas redes sociais.

O menino branco, filho de esportistas (a nadadora Nadna Oyakaw e o judoca Roberto Mariano) iniciou aos seis anos, sob influência do pai, no judô no Palmeiras e chegou a ser faixa laranja (sexta graduação). Com o passar do tempo, o sucesso de Diego Hypólito e Daiane dos Santos inspirou Nory a ingressar na ginástica. Foi em 2004, aos dez anos, que Nory entrou para o clube Pelezão, da prefeitura de São Paulo. Ainda conciliando o judô – por insistência do pai- e a ginástica, o jovem acabou crescendo na modalidade e então fez um teste para o clube Pinheiros e passou.

Sua ascensão foi rápida e surpreendente, pois a escolha dos atletas é feita a partir da avaliação do desempenho dos atletas. Neste caso, até março deste ano, Ângelo Assumpção era o favorito, por ter vencido inclusive Diego Hypólito na etapa de São Paulo da Copa do Mundo de Ginástica – mesma competição que Nory foi cortado por lesão. O caso de racismo parece ter sido encoberto pela cofederação e, para manter a imagem de seus pais e da própria instituição, Nory foi nomeado 3º Sargento do Exército em julho de 2016. Um mês antes do início dos jogos. Normalmente, os atletas são inclusos meses ou até anos antes da olimpíada no Programa Atletas de Alto Rendimento (PAAR) do Ministério da Defesa e recebem a remuneração mensal em torno de R$3,2 mil e, em alguns casos, também o Bolsa Atleta. É uma forma de reforçar o quadro de atletas brasileiros que não têm patrocínio e precisam de subsídios para treinar.

A alegação da Confederação é de que, com a morte do pai, em julho de 2016, Ângelo não teria condições de participar dos jogos. O que o atleta contesta. O esforço para abafar o caso de racismo ganhou dimensões além do esporte. A vida pessoal de Arthur Nory foi exposta, com especulações sobre sua sexualidade. Nas redes sociais, Nory postou uma foto com a ginasta americana Simone Biles, onde brincava que ela seria sua namorada. Nos comentários, o público criticou a atitude dizendo que ele estava aproveitando-se da imagem de Biles para dar impressão que ele gostava de negros.

Nory e Biles, casal destaque das Olimpíadas Foto: arquivo pessoal

Nory e Biles, casal destaque das Olimpíadas Foto: arquivo pessoal

As polêmicas envolvendo Nory são maiores que o atleta. Sua figura é mais forte nas redes sociais como uma celebridade do que como um atleta. A discrição e falta de esclarecimentos da Confederação Brasileira de Ginástica, reforçam os boatos e polêmicas em torno do rapaz. Porém, isso não parece prejudicar a carreira de Arthur Nory em função da blindagem que o protege e, ao mesmo tempo, diminui as esperanças de Ângelo Assumpção para um futuro olímpico. O contorcionismo sai das quadras e entra para o cotidiano dos atletas na tentativa de sustentar suas reputações.

Nory faz das redes sociais seu diário. Foto: arquivo pessoal

Nory faz das redes sociais seu diário (Foto: Arquivo Pessoal)

FONTE CONSULTADA:

MENDONÇA, Renata. Brasileiro revelação da ginástica está sem patrocínio a um ano de Olimpíada. BBC Brasil, São Paulo. Mai./2016. Disponível em: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/05/150504_ginastica_promessa_rm.

Deixe um comentário